A CORAGEM DE SER ADULTO: VOCÊ TEM?

Compartilhe essa postagem

A Coragem de Ser Adulto: você tem?

Lá estava o pai sem saber o que fazer com o filho de dois anos. Ele chorava, esperneava e gritava que queria o celular. O pai relutava porque sabia que não era algo positivo para a idade. Buscava oferecer alternativas para o filho que não aceitava nada daquilo que ele propunha. De repente o pai exclama:

– Não sei mais o que fazer… e entrega o celular.

Assim que recebe o celular o filho se acalma e o rosto do pai se tranquiliza. Foi assim que criamos as primeiras gerações menos inteligentes que as anteriores, simplesmente pela falta de coragem de ser adulto. Além de gerações menos inteligentes, em que implica a nossa falta de coragem de ser adulto? Particularmente, entendo que implica em pessoas com (1) deficiência emocional; (2) pessoas com pouca capacidade de entender a interdependência; e (3) pessoas, organizações e sociedade desconectadas entre si. O que é ser adulto? Biologicamente é estar na plenitude das funções biológicas; legalmente é quem atingiu os dezoito anos; senso comum é aquele que vive a sua própria vida. Dessa forma, para viver a própria vida assumindo as consequências legais de seus movimentos na plenitude de suas forças é essencial se responsabilizar com a sensatez de quem tem equilíbrio e autonomia para decidir sobre as suas escolhas. É fácil? Não. É importante? Sim. Gera incômodo? Certamente. Abre alternativas de movimento? Todos. Porém, é preciso coragem para ser adulto. É indispensável entender que se eu estou na plenitude da minha trajetória como ser humano biológico, é preciso assumir a responsabilidade das orientações sobre outro ser humano que biologicamente, legalmente e, obviamente, ainda não tem autonomia para ser adulto. Eis a importância de saber o que fazer frente a uma criança que não tem como sabê-lo. O pai sabe, mas a criança não sabe que o uso indiscriminado vai produzir malefícios a longo prazo frente a uma aparente tranquilidade no curto prazo. O resultado será um Ser Humano biologicamente pleno sem a capacidade de assumir o comando da própria vida pela (1) deficiência emocional gerada por pais que não tiveram a coragem de orientar. Um Ser Humano biologicamente pleno que não entende (2) que as suas ações afetam os outros na interdependência da qual fazemos parte. Um Ser Humano biologicamente pleno (3) desconectado dos demais que entram no ambiente organizacional, deixando-o volátil e incerto. Com isso, as organizações e a sociedade passam a ser ambientes obscuros com pessoas que sentem medo das relações porque acreditam serem elas um risco. De pessoas que não entendem a interconexão com os demais num processo de interdependência natural. De pessoas que tem em mente “eu peço, eu ganho” e que no confronto com outras pessoas que sempre ganharam o que pediram criam um conflito que expõe a fragilidade perversa oriunda da ansiedade individual. Por fim, são criados ambientes em que as necessidades não entendidas e nem atendidas são expressadas de forma, muitas vezes, equivocada. Por isso, ao dar um celular para quem não sabe as consequências do seu uso, resulta em pessoas com tendência para a baixa produtividade, a infelicidade e a não autonomia.

Enfim, você tem coragem de ser adulto? Ser adulto implica na responsabilidade familiar de educar e de oferecer a alternativa de que cada um pode assumir o comando da própria vida na interdependência com os demais. Ser adulto implica na responsabilidade organizacional de acolher e escutar para orientar os colaboradores no processo de se tornar um adulto organizacional pleno. Isso pode doer, porém é fundamental desenvolver a IMAGINAÇÃO para encontrar alternativas que pelo MOVIMENTO nos levem a afetar o mundo com AFETO. Com as fronteiras cada vez mais diminuídas pela tecnologia existente, ser adulto, além de oportuno, é uma necessidade. Entretanto, exige a determinação de desfrutar da plenitude das competências biológicas, legais e emocionais que nos levem a uma velhice segura, pacífica e equilibrada de ter vivido com a coragem de ser adulto.

Talvez seja o momento de não dar o celular para o filho. Acredito ser o momento de fazer o MOVIMENTO de participar do FISEC – Fórum Internacional de Inovação em Secretariado para desenvolver a IMAGINAÇÃO que permite que você afete com AFETO!

FISEC: www.fisec2023.com

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: mjrauber@gmail.com

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Postagens Relacionadas

Carreira

ESPALHE GENTILEZA

Há poucos dias encontrei queridos colegas de trabalho de anos atrás e nos pusemos a falar do que nos recordávamos dos tempos em que trabalhávamos

Carreira

DESBRAVANDO PALAVRAS

Por anos, carreguei comigo o desejo latente de compartilhar minha jornada, minhas reflexões e experiências, mas sempre me deparei com a pergunta: “Por onde começar?”.

Precisa de Ajuda?