socioemocional

9 de agosto de 2020

Um cego no Vaticano. E no mundo?

(Tempo estimado de leitura 04’10”) Martin Descalzo trabalhava no Vaticano como jornalista e um dia recebeu um telefonema de um amigo que lhe pedia um favor: – Posso indicar você para mostrar a Basílica de São Pedro para um amigo meu? – Claro que sim! – Mas não é um amigo qualquer. Ele que “ver” a basílica, mas ele é cego. Martin fica boquiaberto. Como um cego poderia “ver” a Basílica de São Pedro com suas obras, colunas, abóbadas e vitrais? Seria para ele, que era padre, o maior desafio de sua vida fazer alguém ver a basílica pelos seus […]
2 de agosto de 2020

Mentes Inovadoras: uma chuva de ideias

(Tempo estimado de leitura 03’50”) A pergunta foi jogada para a plateia: – O smartphone que você tem é uma inovação? É a tecnologia uma inovação? Boa parte das pessoas responderam que sim, que o smartphone, assim como a internet, a inteligência artificial, a realidade virtual entre outras tantas tecnologias disponíveis para os seres humanos eram uma inovação. Eu discordei. Isso aconteceu em 2018 no Fórum de Inovação em Secretariado – FISEC que tinha como eixo temático Crie, Conecte, Inove. Tive o prazer de participar com o Victor Hugo e o Álvaro Ibañez numa oficina vivencial na qual “fizemos chover” […]
26 de julho de 2020

“A fila anda!” e as relações sustentáveis

(Tempo estimado de leitura 04’15”) O relacionamento se inicia e o encanto passa quando as dificuldades aparecem. Afinal, ninguém é perfeito. Depois do desabafo vem o conselho: – Separa. A fila anda! Muitas decisões são baseadas no pressuposto de que “a fila anda”. Isso se aplica no âmbito pessoal, profissional e social. Relações fugazes, contatos rápidos e conexões efêmeras revelam um momento vivido em que a ideia do descartável migrou das coisas para as pessoas. Com isso, os relacionamentos são iniciados e terminados em períodos cada vez mais curtos, dificilmente sendo duradouros. Os contatos são mais frequentes e numerosos, muitas […]
19 de julho de 2020

Preparar-se para o futuro? Não dá…

(Tempo estimado de leitura 05’10”) Uma moça da fazenda carregava um balde de leite na cabeça e sonhava que com ele poderia fazer nata. Da nata faria manteiga. Com o dinheiro da venda da manteiga compraria ovos dos quais nasceriam pintinhos. Depois de crescidos os venderia e se compraria um vestido para usar na festa da comunidade. Imaginava que o filho do moleiro iria querer dançar com ela ao vê-la tão bonita. Mas ela não aceitaria imediatamente. Primeiro, diria que ‘não’ e com a cabeça e ensaiou o gesto. Ao menear a cabeça o balde de leite caiu. A moça […]
Associe-se