Sobre o que permanece

Compartilhe essa postagem

Conversando com amigos, as confissões se repetem: está ficando difícil viver a vida que inventamos para nós mesmos neste mundo urbano e hiperconectado. Ansiedade, perda de significado e uma sensação de estar sendo tragados pelo fenômeno da aceleração. Fala-se muito essa palavra. Todos acelerando, tudo em alta velocidade, correndo, voando em direção a não sei onde.

Nesse corre-corre alucinado, vamos atropelando as únicas coisas que podem nos manter, de fato, vivos (e não androides – caçadores ou  caçados). Falo daquilo que constitui a base e a essência do viver; o que pulsa pelo sopro invisível; aquilo que permanece. Que é imutável, que nasce e se fortalece nos grandes silêncios, no cultivo do sentir (diferente dos sentidos), no transcender, ir além das palavras. Na percepção aguda e profunda, que traz os grandes insights. Nos valores que não cabem em contas bancárias.

Respire e responda sem os truques habituais: em que gaveta tudo isso ficou trancado?

 

Por Christina Carvalho Pinto

Estrategista e expert em Branding.

Partner at Hollun – Board Member – CEO – Speaker- 2x Forbes: The Most Influential Woman in MKT & Communications.

Linkedin: Christina Carvalho-Pinto

Postagens Relacionadas

Interculturalidade e Comunicação

É fácil viver com o outro?

Estar com o outro, muitas vezes, nos parece difícil. Digo isso por ter a oportunidade de viver numa família bem organizada a partir dos papéis

Interculturalidade e Comunicação

Quanto diversa é a sua rede estratégica?

Num trecho do seu primeiro livro, The Executive Secretary Guide to Building a Successful Career Strategy, Julia Schmidt convida os leitores a diversificarem estrategicamente as

Precisa de Ajuda?