Neuralink mostra como chip cerebral funciona

Compartilhe essa postagem

A empresa Neuralink, fundada pelo bilionário Elon Musk, recentemente apresentou um vídeo emocionante mostrando os avanços de sua tecnologia de implante cerebral. O protagonista do vídeo é Noland Arbaugh, um homem de 29 anos que ficou tetraplégico após um trágico acidente de carro oito anos atrás. Ele se tornou o primeiro paciente a receber um implante de chip cerebral da Neuralink, realizado no final de janeiro.

No vídeo, compartilhado no antigo Twitter, Noland demonstra habilidades surpreendentes ao mover o ponteiro de um mouse na tela de um computador durante uma partida de xadrez. Essa ação, ele afirma, é realizada através de seus pensamentos. Em suas próprias palavras, Noland expressa gratidão pela oportunidade: “Eu tenho muita sorte de fazer parte disso”. Link do vídeo https://youtu.be/ZzNHxC96rDE

No entanto, mesmo diante desses avanços, Noland destaca que o implante ainda não é perfeito e reconhece que existem desafios a serem superados. Ele ressalta: “Não quero que as pessoas pensem que é o fim da jornada, ainda há muito trabalho a ser feito. Mas já mudou a minha vida”.

Durante a transmissão, conduzida por Bliss Chapman, chefe de software da Neuralink, Noland compartilha sua experiência prévia ao implante, destacando a dificuldade em jogar xadrez desde o acidente. Agora, ele se maravilha ao poder realizar tarefas utilizando apenas seu cérebro.

Em relação ao procedimento de implantação do chip, Noland descreve a cirurgia como “super fácil” e expressa satisfação com o resultado. “Recebi literalmente alta do hospital um dia depois. Não tenho deficiências cognitivas”, afirma ele. Vale ressaltar que Noland recebeu o implante da Neuralink em janeiro deste ano.

No entanto, nem tudo são flores. No mês passado, a Reuters informou que inspetores da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA encontraram problemas com a manutenção de registros e controles de qualidade para experimentos com animais na Neuralink, menos de um mês depois que a startup anunciou ter sido autorizada a testar seus implantes cerebrais em humanos.

A empresa optou por não responder a perguntas sobre a inspeção do FDA, órgão responsável pela aprovação de experimentos com animais e seres humanos nos Estados Unidos.

Apesar das controvérsias, é inegável o avanço impressionante que a Neuralink está obtendo com o caso de Noland Arbaugh. O progresso alcançado parece saído de um enredo de ficção científica. Segundo a empresa, este é apenas o começo do potencial que esse implante cerebral pode oferecer no futuro.

Além dos avanços tecnológicos, é importante considerar os impactos sociais e éticos dessa tecnologia. A capacidade de conectar o cérebro humano diretamente a computadores levanta questões fundamentais sobre privacidade, segurança e autonomia individual. Como garantir que os dados cerebrais dos usuários sejam protegidos contra acesso não autorizado? Como evitar o uso indevido da tecnologia para influenciar ou controlar o pensamento das pessoas? Essas são questões complexas que exigem uma abordagem cuidadosa e uma regulamentação adequada.

No entanto, apesar dos desafios, as perspectivas futuras da Neuralink são empolgantes. A empresa continua a avançar em sua missão de desenvolver interfaces cérebro-máquina de próxima geração, com o objetivo final de melhorar a qualidade de vida de pessoas com deficiências neurológicas e potencialmente abrir novas fronteiras no campo da inteligência artificial e da computação.

À medida que a Neuralink prossegue em sua jornada, é crucial que permaneçamos vigilantes e engajados na discussão sobre os benefícios e riscos dessa tecnologia inovadora. Somente assim poderemos aproveitar plenamente seu potencial enquanto protegemos os valores e direitos fundamentais da humanidade.

Concluindo, a jornada da Neuralink nos lembra da incrível capacidade da humanidade de superar desafios e explorar novos horizontes. Essa fusão entre ciência e tecnologia não apenas promete revolucionar a forma como interagimos com o mundo ao nosso redor, mas também nos faz refletir sobre o que significa ser humano.

Fonte:https://forbes.com.br/forbes-tech/2024/01/neuralink-de-elon-musk-implanta-chip-em-cerebro-humano/

À medida que testemunhamos os avanços extraordinários na interface cérebro-máquina, é importante lembrar que essas inovações têm implicações profundas para cada um de nós. Estamos entrando em território desconhecido, onde as fronteiras entre mente e máquina começam a se desvanecer.

Mas também devemos abordar essa jornada com empatia, compreensão e responsabilidade. É essencial considerar não apenas o potencial incrível dessas tecnologias, mas também os desafios éticos, sociais e psicológicos que surgem ao longo do caminho.

Ao nos aventurarmos nesse novo mundo, devemos permanecer unidos em nossa busca por um futuro onde a tecnologia nos capacite a alcançar nossos sonhos mais audaciosos, ao mesmo tempo em que preservamos nossa humanidade e os valores que nos tornam únicos.

A Neuralink representa não apenas uma promessa de progresso científico, mas também uma oportunidade para refletir sobre o que realmente significa ser humano. É através desse diálogo contínuo e da colaboração que moldaremos o destino dessa jornada extraordinária que estamos trilhando juntos.

Lilian Primo Albuquerque

Colunista, CEO na LPA Consultoria, Mentora, Conselheira e Investidora de Startups.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/lilianpas/

Postagens Relacionadas

Carreira

QUEM ESTÁ NO COMANDO DE SUAS ESCOLHAS?

Outro dia conversava com uma jovem mulher que acabava de ser promovida a C-Level Executive Assistant do CEO da sua organização. Ela havia trilhado um

Precisa de Ajuda?